domingo, 13 de julho de 2008

Feio Retrato da Ansiedade



A pior coisa que existe
Bem pior do que estar triste
E viver sem horizontes
Só ter olhos para o mal

Muito mais que não ter planos
Ou sofrer pelos desenganos
É uma sina invencível
A ilusão das ilusões

É sofrer no paraíso
Não fazer o que é preciso
A agonia de ter fome
Com o ventre pleno do maná

Se afogar no próprio mar
Sufocar de respirar
Não ter tempo na eternidade
Espaço certo pra sonhar

Não ter forças pra começar
Tendo muito a realizar
Ignorar a luz do dia
Lamentando ainda o anoitecer

Ser feliz é o desafio
Se uma alma conturbada
Se perde em divagações
Sem o óbvio enxergar

Mas a vida não é um problema
Porque problemas têm solução
Se o que não tem remédio
Bem remediado já está

Ansiando por silêncio
Silencio a ansiedade
Minha química desregulada
Vou sanando com água e ar

Leandro Cesar Brasil

1 comentários:

Alma de Aninha disse...

Profundos... ambos, fotografia e poema...
Parabéns pelo blog...